HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 9H ÀS 17H
Sindicato dos Bancários de Paranaguá

Setembro Amarelo: funcionário saudável melhora resultado de empresas

01/09/2022
/
186 Visualizações

Setembro Amarelo visa conscientizar sobre a importância da saúde mental. Princípios e valores para com os funcionários atraem investidores e promovem maior desempenho nos negócios

A ansiedade e a depressão, agravadas pela pandemia e crise socioeconômica, diminuem o desempenho e impactam pessoas e empresas. Segundo uma publicação da revista científica Lancet de 2020, o custo anual global com a falta de cuidados com a saúde mental é de 1 trilhão de dólares. Historicamente, associou-se saúde emocional à doença mental, tornando-a um tabu, o que ainda faz com que empresas também evitem o tema por medo de serem culpabilizadas pelo adoecimento de trabalhadores e/ou receber mais atestados de afastamento. Entretanto, os impactos econômicos para uma empresa que não cuida da saúde emocional de  seus colaboradores pode ser enorme, indo desde a falta de produtividade e criatividade, e impactando, também, no lucro final dos negócios.

Segundo Fátima Macedo, CEO da Mental Clean, consultoria especializada em saúde mental no ambiente de trabalho, esse posicionamento é ingênuo. "Quando um trabalhador não está bem emocionalmente e segue trabalhando sem receber o cuidado adequado, isso é presenteísmo, o que significa trabalhar sem estar em condições físicas e mentais para tal. Atualmente, estudos demonstram que o presenteísmo traz muito mais prejuízo para as empresas do que o absenteísmo [padrão habitual de ausências no processo de trabalho, dever ou obrigação, seja por falta ou atraso, falta de motivação ou devido a algum motivo interveniente]", explica.

Um trabalhador adoecido tem a atenção comprometida, cometendo mais erros, e sua relação com colegas e chefia pode ser abalada. Um estudo da pesquisadora de saúde Sara Evans-Lacko, realizado pela London School of Economics and Political Science, apontou que a depressão custa às empresas brasileiras mais de 300 bilhões de reais em perda de produtividade. "As empresas precisam colocar na 'ponta do lápis'.  Até chegar no diagnóstico correto de um adoecimento emocional é muito comum que a pessoa já tenha passado por diversos médicos, feito muitos exames e isso tudo é custo para a empresa, pois aumenta a taxa de sinistralidade. Promover saúde gera economia para a empresa", pontua Fátima Macedo.

Ambientes de trabalho saudáveis são benefícios à empresas não só pela economia gerada, mas pelo capital que atraem. O termo ESG atingiu, no ano passado, o seu maior volume de buscas em 16 anos, segundo o Google Trends: a média foi quatro vezes maior do que em 2020  e 13 vezes superior à de 2019. Governanças socialmente responsáveis, com valores que ultrapassam a arrecadação  chamam  investidores.

Assim, não apenas a criatividade e a produtividade que promovem retornos financeiros para as empresas - sejam elas pequenas, médias ou grandes -, mas também, aquelas que possuem em sua cultura os valores e princípios estampados para com seus colaboradores, são melhores vistos para investidores e parceiros, tendo maior potencial de crescimento. Além disso, quando se trata de uma empresa voltada a bens de consumo, os critérios sobem ainda mais, uma vez que os consumidores estão exigindo cada vez mais uma empresa transparente e amigável.

Para Fátima, promover saúde mental em ambientes corporativos pode parecer um grande quebra-cabeça: difícil e complexo. Porém, conforme as peças se encaixam, o desenho fica claro. Para isso, estudar cada elemento e agir preventivamente são ações fundamentais. "Ter um ambiente de trabalho mais saudável é uma construção do dia a dia. É preciso estudar os dados que a empresa já possui a respeito dos casos de adoecimento, as pesquisas de clima e engajamento, o perfil de sua população e mapear a saúde mental de seu efetivo. É preciso identificar os fatores de risco que contribuem para o estresse ocupacional, por exemplo, e agir sobre eles e ampliar os fatores de proteção à saúde mental", afirma. (Fonte: Brasil Econômico)

Notícias Feeb/PR

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS