HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 9H ÀS 17H
Sindicato dos Bancários de Paranaguá

Sindicato de Cascavel volta a protestar contra demissões em massa no banco Bradesco

Dirigentes do Sindicato de Cascavel durante manifestação em frente à agência do Bradesco nº 5702, localizada na Rua Duque de Caxias com Rio Grande do Sul, nesta quinta-feira, em Cascavel

Com faixas estampando as frases “Luto pelo emprego”, “Este banco demite”, “Mesmo mantendo altos lucros, bancos demitem” e ‘Este banco demite em massa na pandemia”, dirigentes do Sindicato dos Bancários de Cascavel e Região voltaram a promover protesto em frente à agência do Bradesco nº 5702, localizada na Rua Duque de Caxias com Rio Grande do Sul, em Cascavel, nesta quinta-feira (19). A manifestação faz parte do calendário de luta unificado em defesa do emprego e contra as demissões em massa no Bradesco durante a pandemia do novo coronavírus. Esse calendário prevê paralisações e manifestações em agências do Bradesco também nos próximos dias 26 e 30 de novembro, nas principais cidades do Paraná.

O presidente da Federação dos Bancários do Estado do Paraná (Feeb-PR), Gladir Basso, justifica esse calendário intensificado e unificado de luta, citando que os bancos desrespeitaram um acordo firmado no começo do ano de não haver demissões durante a pandemia. Mas, em 2020, já demitiram 12 mil bancários, pais e mães de família, que ficaram sem emprego em meio a uma crise econômica e sanitária.

“Os três maiores bancos do País (Bradesco, Itaú e Santander) estão demitindo. Ao todo, já dispensaram mais de 12 mil trabalhadores este ano, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, em claro descumprimento ao acordo firmado em março”, frisou Gladir Basso.

No mesmo período, esses três maiores bancos privados, os campeões das demissões, lucraram juntos R$ 35,7 bilhões, rendimento que nenhum setor da economia registrou. (Fotos: Divulgação)



COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS