HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 9H ÀS 17H
Sindicato dos Bancários de Paranaguá

Santander, igualdade de gênero não pode ficar só no marketing

10/05/2023
/
513 Visualizações

Arte mostra à esquerda um frame da publicidade do Santander que anuncia desconto de 21% para mulheres em alguns produtos ofertados pelo banco. Acima, o texto "na publicidade". No lado direito, uma gangorra com um boneco feminino e um masculino. O masculino está em posição inferior, indicando que os homens tem mais peso para o banco. Acima, o texto "na realidade".

Por ocasião do mês do Dia das Mães, o Santander está divulgando na TV e nas redes sociais uma publicidade com um dado da PNAD Contínua apontando que as mulheres têm renda mensal 21% menor do que os homens.

Por esta razão, o banco informa que irá conceder às clientes desconto na mesma porcentagem em produtos bancários como seguro de vida, parcelamento de fatura e anuidade de cartões. No vídeo não fica claro o período do desconto.

Lucimara Malaquias, diretora executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo e bancária do Santander considera a iniciativa importante, já que muitas mulheres são chefes de família e quase 80% estavam endividadas em fevereiro de 2023, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A dirigente considera, porém, que a medida deveria ser estendida para produtos mais críticos e sensíveis para esta parcela da sociedade, como juros do cartão de credito, que é justamente onde ocorre o maior endividamento das mulheres; e para a aquisição da casa própria, já que 48% dos lares brasileiros são chefiados por mulheres, de acordo com o IBGE.

Lucimara Malaquias afirma que o Santander deve agir para além da publicidade no mês das mães.

“Está mais do que na hora de o banco retomar seriamente, por exemplo, o debate sobre a licença menstrual, que foi pauta de reivindicação na Campanha Nacional dos Bancários 2022 [campanha salarial]. Mas na ocasião, o banco alegou que ‘ainda não há ambiente interno para conduzir esta questão, porque não há maturidade suficiente das bancárias brasileiras para implementar a medida’. Sendo que na Espanha, país de origem do conglomerado, esta medida já é lei e é cumprida pela mesma instituição financeira”, afirma a dirigente.

Discriminação de gênero na hierarquia do Santander
Outro ponto que chama a atenção na peça publicitária que está sendo divulgada é o seu final, no qual o Santander afirma que há mais de 10 anos não há mais diferença salarial entre homens e mulheres dentro do banco.

Esta informação, contudo, deve ser analisada à luz dos fatos e de dados oficiais, como por exemplo a RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), do Ministério do Trabalho e Emprego, que aponta uma diferença salarial de gênero de 22,2% na categoria bancária.

Esta diferença diminuiu ao longo dos últimos anos e pode não ser observada quando homens e mulheres exercem a mesma função, mas fica escancarada quando se observa a ascensão na carreira.

Segundo o último Relatório de Sustentabilidade emitido em 2022 pelo Santander, em 2021 as bancárias ocupavam 61% dos cargos na área operacional e os homens 39%. Com relação aos cargos de diretoria, apenas 25% eram ocupados por mulheres e 75% por homens.

“Este é o grande problema no Santander e no sistema financeiro de um modo geral. O movimento sindical quer debater seriamente estes dados para além da publicidade, e quer entender quais medidas o banco está tomando para garantir mais acesso às mulheres na pirâmide hierárquica a fim de garantir igualdade de oportunidades para que as mulheres ascendam na carreira na mesma proporção do que os homens”, afirma Lucimara Malaquias.

A dirigente ressalta que inclusive a presidente mundial do Santander, Ana Botín, ressaltou a importância da valorização das mulheres no banco, em visita ao Brasil, em abril.

“Estamos em um tempo histórico quando não é mais aceitável que as mulheres permaneçam em sua maioria em cargos de baixa complexidade e recebam, portanto, salários menores. Mais do que palavras e ações de marketing, queremos atitudes concretas para a construção de um mercado de trabalho justo e equilibrado.” Lucimara Malaquias, diretora executiva do Sindicato de São Paulo e bancária do Santander.

O movimento sindical mantém com o Santander uma mesa de negociação para discutir igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. A próxima reunião está prevista para ocorrer em 22 de maio.(Fonte: Seeb SP)

Notícias Feeb/PR

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS