HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 9H ÀS 17H
Sindicato dos Bancários de Paranaguá

Seis maiores bancos respondem por 75% do lucro, mas fintechs começam a ganhar espaço

02/04/2024
/
600 Visualizações

Nubank tem maior participação entre os lucros das fintechs - embora muito atrás dos maiores bancos - foto divulgação - 

Lucro anual do setor cresceu 11% desde 2014 e chegou a R$ 210 bilhões no ano passado (Por Matheus Piovesana (Broadcast))

O lucro do setor bancário brasileiro continua concentrado nos nomes tradicionais do setor, mas as fintechs e bancos digitais começaram a ganhar espaço no ano passado à medida que suas operações deixaram de perder dinheiro. A análise é do Bank of America (BofA), que aponta que, desde 2014, o lucro do setor cresceu 11% ao ano, em média, chegando a R$ 210 bilhões no ano passado.

“O bolo de lucros continua muito concentrado, com os seis maiores bancos respondendo por 75% do total ao longo de 2022. Entretanto, os neobancos começaram a ganhar espaço em 2023, dado que vários deles ultrapassaram o patamar do equilíbrio financeiro”, escreve o analista Mario Pierry.

Usando os dados do Banco Central referentes aos seis primeiros meses do ano passado, o BofA mostra que os bancos com a maior participação nos lucros do setor foram o Itaú Unibanco e o Banco do Brasil, com 19% cada um, sendo que a participação do BB foi a maior em dez anos. A do Bradesco, por outro lado, foi a menor, de 10%.

Para mostrar a evolução do setor ao longo da última década, o BofA compilou ainda dados sobre a participação dos bancos públicos e privados na concessão de crédito e sobre a participação do próprio crédito na economia.

Após um pico de 57% em 2015, os bancos públicos caíram para 43% de participação no mercado de crédito no País no final do ano passado, segundo os números reunidos pelo BofA. Essa queda, que inclui o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), explica também, na visão do analista, a menor concentração do crédito no sistema, assim como a chegada das fintechs.

A participação do crédito na economia, porém, estagnou em 53%. Essa paralisia foi puxada pelo crédito às empresas, que perdeu espaço diante da migração de muitas operações do balanço dos bancos para o mercado de capitais. O crédito para pessoas físicas, por sua vez, cresceu, com linhas como cartão de crédito e crédito pessoal se tornando a porta de entrada das fintechs no sistema.

Os dados mostram que o crédito bancário para empresas saiu de 28% do PIB para 21% entre dezembro de 2014 e o mesmo mês de 2023. O crédito para pessoas físicas, por outro lado, saiu de 25% do PIB para 32% do PIB. (Fonte: Estadão)

Notícias FEEB PR

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS