HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 9H ÀS 17H
Sindicato dos Bancários de Paranaguá

Bolsonaro admite que ‘salário mínimo está baixo', mas diz que não tem como aumentar

Em agosto, governo enviou ao Congresso uma proposta de reajuste com valor de R$ 1.067 - atualmente, salário mínimo é de R$ 1.045; presidente disse que efeito cascata em outros benefícios impede aumento (Por Felipe Frazão) 

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta quinta-feira, dia 26, que o valor do salário mínimo vigente no País, de R$ 1.045, “está baixo”. Às vésperas do reajuste previsto para janeiro de 2021, o presidente usou uma transmissão ao vivo em vídeo nas redes sociais para dizer também que o governo não suporta um aumento real.

“Muita gente reclama: ‘Ah, o salário mínimo tá baixo’. Reconheço que tá baixo. Mas a gente não tem como aumentar”, disse Bolsonaro.

O presidente afirmou que as razões que impossibilitam um aumento no salário mínimo são os impactos em outros benefícios pagos pelo governo e que têm o mínimo como referência, em efeito cascata.

Em agosto, o governo enviou ao Congresso proposta de Lei Orçamentária Anual com valor de R$ 1.067. Se confirmado, será o segundo ano consecutivo sem aumento real no reajuste do piso salarial nacional, apenas com a reposição da inflação.

“Isso aí reflete diretamente nos aposentados e pensionistas. E temos uma gama enorme de aposentados e pensionistas. Reflete no pessoal do BPC (benefício de prestação continuada, equivalente a um salário mínimo, pago a pessoas com deficiência e idosos). Não sei o montante, mas são dezenas de bilhões de reais que se gasta com isso e não tem mais de onde tirar dinheiro”, justificou o presidente.

A cada aumento de R$ 1 no salário mínimo, o impacto fiscal é de R$ 304,9 milhões, segundo dados do Tesouro Nacional. Já uma alta de 0,1 ponto porcentual no INPC, índice de inflação usado para corrigir o piso nacional, resulta num aumento de R$ 720,8 milhões.

Bolsonaro disse que, por causa do desemprego, pretende lançar no começo do ano que vem uma programa federal com auxílio estatal para fomentar a abertura de empresas por desempregados. A ideia está sendo discutida com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O presidente disse que o programa deve ser batizado de “Minha Primeira Empresa”.

“Então, quem reclama vai ter a chance de montar sua empresa, o governo vai dar uma fórmula, alguma ajuda obviamente, e o cidadão pode deixar de ser empregado, deixar de procurar emprego, e montar sua empresa”, afirmou.

Bolsonaro também voltou a se manifestar a favor da flexibilização de direitos trabalhistas. Ele elogiou o ex-presidente Michel Temer, que aprovou uma reforma trabalhista e mudou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O presidente disse que o patrão muitas vezes deseja pagar salários mais altos, mas não dá aumentos aos funcionários por causa do impacto nos direitos e multas previstos em caso de demissão. (Fonte: Estadão)

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS